Nota pública em defesa da igualdade de gênero nos Planos

A Iniciativa De Olho nos Planos vem manifestar publicamente repúdio contra manifestações de intolerância e proselitismo religioso nos processos públicos de elaboração e revisão de Planos de Educação no Brasil, que visam eliminar a possibilidade de debate público sobre estratégias destinadas à superação das desigualdades de gênero, de orientação sexual e de raça, entre outras que violam o direito humano à educação de milhões de brasileiras e brasileiros.

Clique na imagem abaixo e acesse a nota pública completa em defesa da igualdade de gênero nos Planos de Educação e de uma educação pública laica e democrática:

PME_Gênero_portal-NOTA

 

 

Reportagem – Gabriel Maia Salgado
Edição – Ananda Grinkraut

 

 

5 ideias sobre “Nota pública em defesa da igualdade de gênero nos Planos

  1. luisa guerra

    Parceiros de ´por uma educação de qualidade´. Gostaria de pedir, primeiramente, respeito em nossas discussões. As pessoas tem o direito de dar suas opiniões, mas ha maneiras de faze-lo sem agredir.
    Certamente, a escola publica e particular (o ensino de maneira geral) vivem numa mediocridade enorme com avaliações excessivas, voltadas apenas para um ENEM. E depois? Teremos ótimos médicos fazedores de provas, engenheiros e arquitetos que constroem obras para não humanos, professores que imbecilizam seus alunos?
    Sim, antes as cotas eram necessárias. Ja fui a favor. Mas esperávamos melhorias dos ensinos fundamental e médio. Não enganemos nossos estudantes! Cota não pode ser fruto de culpa social, pena, esmola. Ha vários negros e portadores de necessidades especiais que se recusam a entrar nelas. Mais preconceito sob eles! Não adianta cota para analfabetos na universidade. Passar de ano, passar pela universidade eh atrasar a exclusão que inevitavelmente ocorrera no mercado de trabalho!!! A não ser que tenhamos cota para tudo. Ate cota para ex-gay?
    Fala-se de qualidade de ensinos fundamental e médio. Qualidade docente? Qtos cursos são ofertados, gratuitamente, e docentes os ignoram. Estes tem tempo, condições físicas de faze-lo?
    Ha profissionais excepcionais nas escolas que ganham nem um trocado a mais por serem excelentes! Entao todo mundo tem que ser tratado igual? Qual a vantagem de ser um profissional da educação qdo meu colega do lado fica lendo Veja na sala de aula? Qdo um docente (gringo) – que trabalha no Brasil, não fala português, que ensino calculo e ofende nossos alunos (Brasileiros) comentando que ate as éguas do país dele dao conta de fazer o tal calculo! Grande inteligência! Que Einstein! Ninguem se levanta contra este cara! Nossa! Ele eh um gringo inteligente das exatas! Mas um idiota, incompetente que ganha dinheiro brasileiro para dar aula. Não eh favor! E os alunos do ITA!Que coisa! Que lindo humilhar, agredir, sofrer! Uau! Sao homens fortes, poderosos … Me poupem!
    Voltando a sala de aula, quem conseguem desenvolver seus trabalhos (dentro, claro de um projeto político pedagógico negociado com pais, alunos, docentes, corpo administrativo e governos)? Não basta gritar, eh preciso negociar, ter grandiosidade, capacidade para alem de fazer um punhado de continhas. O problema piora qdo achamos que a escola eh nossa ou a sala de aula eh nossa. Na mesma esquizofrenia acredita-se e permite-se que cada governo mude tudo, derrube tudo que seu antecessor construiu antes (bom ou não).
    Outro aspecto perturbador eh ver que pessoas precisem diminuir outras áreas para fazer valer seus valores, crenças e, talvez estudos. Seria interessante pesquisar, ler mais, se informar. Qto ao fato de homem não sofrer violência de gênero, isto eh um engano enorme! Ha estudos que mostram como meninos, assim como meninas são negligenciados nas escolas dependendo da área de conhecimento. Não eh coincidência que ainda temos tantos homens nas áreas de exatas e mulheres nas humanas. Vamos ver números, pesquisas e não achismos. Homens sofrem preconceito sim. Homofobia nos afeta a todos, caso de pais e filhos andando abraçados e que tem suas orelhas cortadas. Isto afeta a todos nos. Afinal, nem todo homem quer ser um homem das cavernas. Ha homens civilizados e, infelizmente, ha mulheres que se acham melhores que outras por estarem nas áreas de exatas. Por favor!!! Que preconceito! Sim, gênero eh importante, e informando melhor, gênero não estudo sobre mulher ou orientações sexuais. Genero eh uma categoria de analise sociológica que fora do micro Brasil tem um peso enorme. Ha estudos mostrando que o desempenho acadêmico, escolar de crianças, adolescentes e adultos é afetado significantemente por agressões, preconceitos e exclusoes na escola, gerando desinteresse e outras mazelas. Sinto muito, a percepção de que a escola eh apenas um local para se aprender a fazer conta, escrever certo eh muito conteudista (enciclopédico), desatualizada. Muitos estudantes de licenciatura num processo de negação (de status quo), por exemplo, se empombam em dizer que são biólogos (bacharel), mas na verdade são professores de biologia. Sao cursos diferentes! Não tem coragem de sair do armário e se dizerem professores. Quem não se respeita não eh respeitado. Persiste a arrogância por parte de muitos alunos e docentes do ensino superior ao questionar outras, como artes e áreas das humanas. Que pobreza de pensamento! Em geral, são mentes pequenas, pouco cultos, que se contentam com seus pequenos poderes. So sabem conteúdo (mais ou menos, pq. não são bacharéis) e tb. não tem domínio qualquer sobre o seu oficio que demanda o conhecimento pedagógico. Temos um Frankstein na sala de aula.
    Mais triste eh alguém não perceber que suas falas estão carregadas de preconceito e que, qualquer preconceito, afeta um plano de sociedade mais justa. Não precisamos diminuir o outro para buscar nosso espaço. Sem mesquinhez.
    Que estreiteza de pensamento achar que só mulher sofre preconceito! Ha mulheres que se acham melhores que outras pq. fazem (buff! KKKk) exatas! Que mediocridade de pensamento! Qualquer conhecimento eh conhecimento! Conhecimento não tem dono, não tem hierarquia, eh produto de nossa civilização. Como somos autoritários!
    Não parece produtivo hierarquizar áreas de conhecimento ao tentar discutir direito a educação de qualidade. Afinal, o que eh esta educação de qualidade? Quem definira isto? Ja resolvemos acesso, agora eh qualidade. Isto faz parte da evolução social! A Europa passou por isto!
    Por favor, ao invés de pensar somente em conteúdo pensem em desenvolver raciocínios. Conteudo muda daqui a pouco. A ciência avança, o átomo eh divisivel, vimos um mundo se transformar tecnologicamente … Tem gente ainda agarrado na ideia de aula expositiva, vigiar e punir, jogar criança num buraco para punir por seus crimes. Por favor, uma sociedade menos medieval!
    Outra coisa, se famílias fossem tao boas assim não teríamos delegacia de menores, conselho tutelar. Não podemos passar todas as decisões sobre a vida de uma criança ou sobre qualquer cidadão para o Estado, mas tb. a criança não eh propriedade da família. Muitas precisam ser protegidas de seus pais (abuso sexual, violência domestica dentre outros). Não existe família de propaganda de margarina.
    Talvez, as pessoas pudessem se informar melhor sobre as realidades escolares antes de emitir opiniões radicais. Ex. Arrastao nas escolas, professores com 3 turnos de trabalho, aluno rindo do docente pq. fazem mais dinheiro com a droga … Enfim, a discussão eh sociológica, pedagógica (métodos atuais ensino), antropológica, de gênero, de raça, de credo … Não são detalhes. Afinal, vivemos em sociedade e precisamos entender que não nascemos branquinhas, de olhinhos azuis, com condições mínimas de vida digna, com uma família delicia cremosa … Leiam mais! Eu tento, pois ainda sou bastante ignorante em muitas áreas. Entao, ao invés de agredir a quem quer tentar discutir problemas específicos, entendam a boa vontade, o tempo envolvido nisto. Menos arrogância! E mais generosidade com as opiniões.
    Outra coisa, projeto de mudança de sociedade se faz estudando, conversando, dialogando e não em mesa de boteco. Portanto, leiam mais, realizem trabalhos comunitários, conheçam sobre o que falam, ouçam opiniões diversa (se tiverem inteligência, de derem conta). Estas discussões rasteiras e de verdade única são cansativas e so geram mais raiva, violência e atraso.

    Responder
  2. Susanne

    Prezado Wellington, uma coisa não exclui a outra. Além disso, como você é homem, não deve ter sofrido preconceito de gênero. A maioria das mulheres, sim. E para evitar isso, entre outras coisas, é preciso educar.

    Responder
  3. Wellington

    Ao invés de ficar forçando a barra com temas superficiais como ideologia do gênero, o que mais nossas crianças precisam é de uma educação de qualidade, professores mais capacitados e preparados, se as escolas públicas não conseguem dar um ensino básico que seja de qualidade, onde os números e as estatísticas são maquiados, vai querer agora inventar mais coisa ? Respeitem a liberdade da família ensinar aos filhos e orientá-los sobre a sexualidade, se a educação publica não consegue alfabetizar muitas crianças, não investe na capacitação dos professores, os prédios das escolas estão em sua maioria sucateados, como vão querer agregar mais responsabilidades se não cumprem nem as que estão aí. E não adianta querer forçar a maioria esmagadora das famílias brasileiras que são contra esse projeto ridículo a aceitá-lo a qualquer custo, estamos falando de intolerância, mas em sua maior parte ela vem dos ativismos gay e seus defensores, não sou contra a liberdade de cada um escolher a sua opção sexual, isso é constitucional liberdade de expressão, sou contra a essa campanha de apelo a defender esse tipo de questão como ideologia de gênero, sendo que existem uma gama de prioridades que precisamos como cidadãos brasileiros, não como um grupo de ativismo, ou religioso, mas que defendam o cidadão em geral. E pra finalizar, falar de proselitismo religioso, quando a religião em nosso país, mais contribui do que prejudica, é só ver nas áreas sociais, já que assim porque não tornar o Brasil comunista? A religião é um problema, rasgue a constituição instaure o comunismo no Brasil, onde homossexuais também não terão voz e vez. E com tantos conselhos municipais, estaduais e federais envolvidos com educação eramos para termos uma das melhores educação do mundo, mais as pesquisas sérias de Órgãos internacionais nos colocam como uma das piores, espero que os nossos parlamentares independente de credo religioso, continuem obstruindo esse projeto ridículo.

    Responder
    1. Novais

      Concordo com você, o problema maior é o ativismo radical. estas pessoas acreditam estar intelectualmente acima dos outros ,tratam quem discorda de seus pensamentos como trogloditas e conservadores,estão prestando um desserviço à própria causa,na medida que incitam ao confrontamento e divisão de classes,triste fim da sociedade brasileira.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>