Manual de defesa pretende ajudar professores/as que estão sendo ameaçados/as

Grupo de organizações lança campanha de financiamento coletivo para a produção de um e-book e um minidocumentário de suporte a docentes

Financiamento Coletivo Crowdfunding Escola Sem Partido Censura

Vídeo da campanha de financiamento coletivo

Em resposta às ações do Movimento Escola Sem Partido (ESP), um grupo de entidades composto pela Ação Educativa, Rede Escola Pública e Universidade, Agência Pressenza e QuatroV lançou uma campanha de arrecadação de fundos para produzir um e-book de defesa para professores/as com orientações do que fazer em caso de censura, invasão da sala de aula e circulação de conteúdo difamatório na internet. Além do livro, pretende-se também produzir um minidocumentário com relatos de professores que passaram por essas situações. Todo o material produzido será disponibilizado abertamente na internet.

Para a concretização do projeto, que envolve o levantamento de dados, entrevistas com especialistas e estudos de caso, é previsto um investimento de R$20 mil. A arrecadação será dividida em quatro fases, de R$5 mil cada uma, e a previsão de data para lançamento dos materiais é 9 de junho. Para apoiar o projeto, é possível doar quantias que vão de R$25 a R$4500 e os pagamentos podem ser feitos por boleto ou via cartão de crédito. Aos que colaborarem, são previstas recompensas, como notas de agradecimento nos materiais, convites para lançamentos e participações nas gravações.  Clique aqui para saber mais sobre como doar.

“Vivemos um momento de ataque organizado às escolas e universidades públicas com o objetivo de retirar o seu papel no enfrentamento as desigualdades, no enfrentamento ao racismo e na construção da igualdade social no Brasil. Querem retirar da escola seu princípio fundamental, que é a liberdade de ensinar, aprender, divulgar o conhecimento. Além de seu papel fundamental na realização do princípio do pluralismo de concepções pedagógicas no exercício do estudo e das docências”, aponta Salomão Ximenes, integrante da Rede Escola Pública e Universidade, em vídeo de convite a participação da campanha.

Crowdfunding Escola Sem Partido Defesa Censura Manual

 

O movimento Escola Sem Partido

O movimento Escola Sem Partido (ESP) surgiu em 2004 e, de acordo com o site oficial, trata-se de “uma iniciativa conjunta de estudantes e pais preocupados com o grau de contaminação político-ideológica das escolas brasileiras, em todos os níveis: do ensino básico ao superior”.

“O nome do movimento sugere que a grande preocupação desse movimento é a captura dos alunos por meio do discurso político partidário. Mas não é isso. Se olharmos mais atentamente as legislações estaduais e municipais, toda a preocupação é com a discussão de gênero e orientação sexual”, afirma Deborah Duprat, promotora da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

+ VEJA TUDO SOBRE A CAMPANHA “PLANOS DE EDUCAÇÃO: IGUALDADE DE GÊNERO SIM! DISCRIMINAÇÃO NÃO!”

Nos últimos anos, o ESP tem ampliado sua visibilidade com a tramitação de projetos de lei em âmbito federal, estadual e municipal.  Segundo levantamento realizado pela profª Fernanda Pereira de Moura, desde 2014, 62 projetos de lei (PLs) relacionados ao ESP tramitaram nas casas legislativas do Congresso Nacional e em mais 12 estados e 23 cidades do Brasil. Esses PLs tratam de temas como a proibição das discussão da questão de gênero nas escolas, em materiais didáticos e em normativas educacionais, e do combate à “doutrinação político-partidária” dos professores dentro da sala de aula.

Clique na imagem para aumentá-la

Como forma de defesa, sindicatos, instituições de direitos humanos e coletivos de professores/as têm se organizado de diversas formas. Uma das iniciativas mais conhecidas é a página de facebook Professores Contra o Escola Sem Partido, que atualmente conta com mais de 74 mil seguidores. Diariamente, a página divulga notícias sobre censura a docentes, levantamentos dos andamentos dos PLs e audiências públicas relacionadas à temática. A ONG Ação Educativa também buscou articular-se sobre o tema, lançando uma coletânea de artigos de 20 diferentes autores, entre os quais Denise Carreira, Leonardo Sakamoto e Frei Betto, abordando a ideologia e as formas de ação que norteiam o ESP. Já a produtora QuatroV, ao longo no ano passado, lançou alguns vídeos curtos que viralizaram nas redes sociais, gerando uma avalanche de pedidos de apoio e por professores/as buscando saber como se defender caso em de tentativa de censura.

 

Saiba mais:

Quase 60 projetos de lei relacionados ao Escola Sem Partido tramitam em todo o país
Conselho Nacional de Direitos Humanos aprova resolução que repudia o Escola Sem Partido 
PFDC declara inconstitucional o modelo de notificação extrajudicial que proíbe a discussão de gênero nas escolas 
– Defensoria Pública de São Paulo lança caderno sobre igualdade de gênero na escola
Cartilha do Ministério Público Federal apresenta direitos da população LGBT e como agir em caso de homofobia

 

Reportagem: Júlia Daher
Infográfico: Stephanie Kim Abe
Edição: Claudia Bandeira

Uma ideia sobre “Manual de defesa pretende ajudar professores/as que estão sendo ameaçados/as

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *