Jogo De Olho na Escola

O De Olho na Escola é um jogo que estimula o debate com crianças e adolescentes sobre a escola que temos, a escola que queremos e como podemos juntos(as) atuar pela melhoria da sua qualidade. Simples e divertido, ele pode ser utilizado em processos participativos para aquecer a discussão sobre a construção de diagnósticos e o levantamento de propostas para as escolas e para o monitoramento participativo dos planos de educação do município, do estado e do país. Assim, o protagonismo das crianças e dos adolescentes é estimulado da forma que eles mais gostam: brincando!

Baixe o jogo completo agora, imprima-o, distribua-o na sua escola e estimule de forma lúdica esse debate com os seus alunos e suas alunas!

 

O jogo

Como funciona

O De Olho na Escola é indicado para crianças já alfabetizadas, a partir de 8 anos, sendo possível jogá-lo com crianças menores, em colaboração com àquelas que já tem o domínio da leitura. Brincando em grupos, os(as) jogadores(as) devem relacionar as informações das cartas pretas com as imagens e descrições das cartas cor-de-rosa. Em cada rodada, um(a) juiz(a) tem a chance de decidir o(a) vencedor(a) escolhendo qual é a melhor e/ou mais divertida combinação entre as cartas. Aquele(a) que juntar a maior quantidade de cartas pretas possíveis até o final do jogo é o(a) vencedor(a)!

O mais legal é a discussão que o jogo permite entre os(as) jogadores(as), ao argumentarem para tentar convencer o(a) juiz(a) a escolher a sua carta em vez da de outro(a) colega.

Composição

– 26 cartas pretas; sendo 21 cartas com perguntas, 2 cartas em branco e 3 cartas Desafio
– 104 cartas cor-de-rosa; sendo 80 cartas com imagens e 24 cartas com temas diversos
– Instruções gerais do jogo
– Caixinha para guardar as cartas e as instruções

Objetivo

Desenvolvido pela ONG Ação Educativa, no âmbito de um projeto realizado para a Secretaria Municipal de Educação de Santo André, o jogo De Olho na Escola tem como principal objetivo o fortalecimento da participação das crianças e dos adolescentes na construção de uma escola de qualidade.

Processos participativos

Ao utilizar o jogo para aquecer a discussão para processos participativos destinados a refletir
a qualidade da escola, pode-se acordar com o grupo de jogadores(as) que um(a) deles(as)
ou uma pessoa que não esteja jogando possa anotar em um caderno ou em um cartaz as
principais discussões que apareceram durante o jogo. Esses pontos podem ser retomados
depois com outros grupos de jogadores(as), em uma grande roda de conversa. Uma das
perguntas que podem ser abordadas nesse momento de troca é: das brincadeiras e discussões
que foram feitas no jogo, quais tem a ver de verdade com a nossa escola?

 

– “Eu achei muito interessante, e bem diferente. Eu nunca tinha jogado um jogo assim! Eu gostei das perguntas, de a gente estar cada um dando a sua opinião” (Isadora Ribeiro, aluna do quinto ano da EMEF Solano Trindade, em São Paulo)

– “O jogo é colorido, tem uma proposta divertida e é bem interativo. As crianças conseguiram se soltar e falar sobre um tema tão de adulto, que é o plano de educação” (Débora Veras, do núcleo de Esportes da Diretoria de Educação Integral e CEUs da DRE Butantã, em São Paulo)

O direito à participação de crianças e adolescentes

Acreditamos que as crianças e os adolescentes têm muito a dizer sobre a educação de nosso país e sobre como podemos melhorá-la no cotidiano de escolas e em espaços não formais de educação (centros esportivos, espaços culturais etc). E isso requer o desafio de uma política educacional que seja formulada e desenvolvida de maneira a considerar outros importantes direitos das crianças e adolescentes como o de brincar, o de não ser discriminado, o de descobrir, se aventurar e de ocupar o espaço público sem medo.

O direito à participação de crianças e adolescentes está explícito no art. 12 da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança, tratado aprovado na Resolução 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas, em 20 de novembro de 1989, que diz:

“Os Estados-partes assegurarão à criança, que for capaz de formar seus próprios pontos de vista, o direito de exprimir suas opiniões livremente sobre todas as matérias atinentes à criança, levando-se devidamente em conta essas opiniões em função da idade e maturidade da criança”.

Ainda que outros documentos já versassem sobre os direitos humanos de crianças e adolescentes, como a Declaração de Genebra de 1923 e a Declaração sobre os Direitos da Criança de 1959, foi com essa Convenção, ratificada pelo Brasil em 1990, que se ergueram os princípios como o do interesse superior da criança e o direito à participação.

Por isso, para complementar o uso do jogo De Olho na Escola, recomendamos a leitura e uso do guia A participação de crianças e adolescentes e os Planos de Educação, da Coleção De Olho nos Planos. Ele traz ideias e experiências de como estimular essa participação em processos educativos, principalmente na abordagem do tema dos planos de educação com as crianças e os adolescentes.

Acesse a publicação aqui

Galeria de imagens

 

Monitoramento participativo dos planos de educação

Mais do que estimular as crianças e adolescentes a debaterem sobre a escola que querem e sobre a qualidade da Educação, é possível levar essa discussão mais pra frente, chegando a influenciar as políticas públicas educacionais. É por isso que o jogo De Olho na Escola pode ser uma ótima ferramenta no contexto do monitoramento participativo dos planos de educação. É uma forma de estimular que as crianças e os adolescentes façam parte desse processo tão importante que busca garantir que todos e todas conheçam, se apropriem, se comprometam e lutem pelos planos de educação.

É por meio desse processo que garantimos que fóruns e conselhos de educação, secretarias, escolas, organizações da sociedade civil, movimentos sociais, coletivos e pessoas em geral estejam envolvidas, e realizem experiências de gestão democrática e de controle social na educação em seu município ou estado

No processo da Conferência municipal de Educação de São Paulo, realizado em maio de 2017, por exemplo, o jogo De Olho na Escola foi uma das atividades específicas realizadas com as crianças e os adolescentes, com o intuito de estimular e qualificar o debate entre elas e garantir que suas propostas fossem incorporadas ao documento final encaminhado à plenária final.

Saiba mais sobre como foi a participação de crianças e adolescentes na Conae de São Paulo aqui
Veja todos os materiais da iniciativa De Olho nos Planos para o monitoramento participativo dos planos de educação!

 

2 ideias sobre “Jogo De Olho na Escola

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *