Gênero e educação

Apesar de não ter sido aprovado no Plano Nacional de Educação (PNE), após pressão de grupos conservadores, as temáticas relacionadas à igualdade de gênero podem estar presentes nos Planos Estaduais e Municipais de Educação como forma de aprimorar a qualidade da educação, superar as desigualdades e combater a exclusão escolar.

Mesmo que não tenha sido aprovado nos planos municipais e estaduais, o tema deve ser abordado em sala de aula sim, com base legal na Constituição Brasileira (1988), nas Diretrizes Nacionais de Educação e Diversidade, nas Diretrizes Curriculares do Ensino Médio (art. 16), e na Lei Maria da Penha (2006), além de outros tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Para reforçar a importância da abordagem deste tema, a iniciativa De Olho nos Planos convidou a todos(as), ao longo de 2015, para que pudessem compartilhar e aderir à campanha: “Planos de Educação: Igualdade de gênero SIM! Discriminação NÃO!”

Diga NÃO AO RETROCESSO!
Diga NÃO AOS FUNDAMENTALISMOS!
Diga NÃO À EXCLUSÃO DA IGUALDADE de GÊNERO, RAÇA/ETNIA e ORIENTAÇÃO SEXUAL dos planos municipais e estaduais de educação.

Por um Brasil laico, democrático, com justiça social e sem discriminação.
Pelo direito humano à educação de qualidade para todas e todos!

Confira abaixo alguns de nossos materiais:

 

Materiais de divulgação

                                 Banner                                                                         Botton                                                                     Camiseta

PME_Gênero_Imagem Banner PME_Gênero_Imagem Botton PME_Gênero_Imagem Camiseta

Material de apoio

Folheto “Pelo direito à Igualdade de Gênero na Escola”

Voltado para as escolas públicas e comunidades escolares, o folheto Pelo direito à Igualdade de Gênero na Escola traz informações sobre a importância de abordar as questões de gênero nas escolas, quais as leis que garantem o direito a esse debate e o que fazer caso a instituição, os(as) docentes ou a gestão pública esteja sendo ameaçada ou notificada extrajudicialmente.

O folheto é uma iniciativa da Ação Educativa, Geledés (Instituto da Mulher Negra), Ecos (Comunicação em Sexualidade) e Cladem (Comitê Latino-americano e do Caribe dos Direitos da Mulher), com apoio político da ABGLT (Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) e apoio financeiro de um edital público da Secretaria de Políticas para as Mulheres.  Clique aqui e baixe o folder gratuitamente

Fontes de consulta

Educ. Diversidade e Desigualdade

Rede De Olho: Educação, Diversidade e Desigualdade

A comunidade Educação, Diversidade e Desigualdade foi criada para potencializar a conversa sobre as condições necessárias para que os vários segmentos da sociedade estivessem representados em todo o processo de construção, revisão e monitoramento do Plano de Educação. Confira aqui as discussões que ocorreram na comunidade “Educação, Diversidade e Desigualdade”

 

 

Gênero e Educação

O projeto Gênero e Educação: fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais tem por objeto fortalecer a agenda da igualdade de gênero nas políticas educacionais. No portal, é possível encontrar os marcos legais referentes a essa temática, explorar um banco de experiências, acessar materiais de apoio, vídeos, livros e textos. Acesse o site aqui

 

Material jornalístico

 PFDC declara inconstitucional o modelo de notificação extrajudicial que proíbe discussão de gênero nas escolas Clique aqui
 Vídeos: Por que é importante discutir gênero na escola? Clique aqui
 Novo livro “Gênero e Educação: fortalecendo uma agenda para as políticas educacionais” é lançado em São Paulo Clique aqui
Unesco defende a importância do ensino de gênero e sexualidade nas escolas Clique aqui
Novo folder orienta escolas sobre como lidar com as proibições aos debates de gênero, raça e sexualidade Clique aqui
“Planos municipais e estaduais não podem proibir as questões de gênero, porque contrariam as Diretrizes Nacionais da Educação” Clique aqui
Vídeo: Combate à desigualdade de gênero se aprende na escola Clique aqui
Maioria dos Planos Estaduais de Educação aprovados incluem referência à igualdade de gênero Clique aqui
Coletivo se mobiliza para que igualdade de gênero seja incluída em Plano de Educação de Uruguaiana (RS) Clique aqui
Conselho Nacional de Educação orienta municípios a revisarem Planos que não abordem questões de gênero Clique aqui
“Igualdade de gênero nos Planos pretende diminuir desigualdades” Clique aqui
O que fazer se a igualdade de gênero não tiver sido aprovada no Plano de Educação? Clique aqui
“Planos Municipais de Educação podem abordar questões relacionadas à igualdade de gênero” Clique aqui
Nota pública em defesa da igualdade de gênero nos Planos Clique aqui
Constituição é base para que Planos de Educação atuem contra discriminação de etnia e de gênero, afirma ministro Clique aqui
Pastora defende a abordagem de questões de gênero nos Planos de Educação Clique aqui
Plano Nacional de Educação sofre pressão de grupos religiosos e pode deixar de promover igualdade de gênero Clique aqui

Vídeos

Para reforçar a importância da abordagem deste tema, a iniciativa De Olho nos Planos coletou depoimentos de diferentes pessoas que aderiram à campanha “Planos de Educação: Igualdade de gênero SIM! Discriminação NÃO!”.

Veja todos os vídeos no canal do De Olho no Youtube.

6 ideias sobre “Gênero e educação

  1. Guilherme Castanheira

    Aos mais apavorados com os próprios demônios do que conscientes das medidas legais que essa campanha levanta, não se trata de “ninguém saber mais quem é quem”, mas apenas – e tão difícil conquista – de se respeitar as diferenças de gênero, raça e orientação sexual. Para isso, basta sempre se lembrar de que, diante de nós, há outro humano, tão carente de ascensão profissional e dignidade em educação quanto qualquer outro. É só isso. Mas o problema é que o preconceito não nos deixa entender o sentido de “respeito”.

    Responder
  2. Sandra

    Parabéns ao site!
    Encontrei o que precisava para esclarecer as dúvidas e principalmente as distorções e mentiras tão propagadas nas redes!
    ;))))

    Responder
  3. Neide porfirio

    Infelizmente, existe muita desinformação a respeito dessa discussão e da inclusão desse tema, tão importante é necessário, dentro da escola. O objetivo do debate não é, de forma alguma, incentivar a homossexualidade, ou outros afins, mas trazer a luz a realidade, esclarecendo que somos uma pluralidade, somos diferentes, mas que isso, não implica em melhores ou piores. Somos todos iguais perante a lei ( nossa Constituição), portanto devemos sim, temos a obrigação de ensinar o respeito a diversidade, só assim combateremos o preconceito, a discriminação, o sexismo, a violência.
    Abraços!!

    Responder
  4. Marcos

    Por favor, não aparelhem uma iniciativa tão boa quanto este site à suas ideologias. Se você é a favor da igualdade de gênero, ensino isso para seus filhos ou matricule ele em alguma escola que ensine desta forma. Agora, querer universalizar essa sua opinião e ensinar à todas as crianças, mesmo contra a vontade dos pais, é um desrespeito à pluralidade de opiniões de toda a população, apenas respeite quem tem opinião contrária. Dizer “SIM!”, com estas colocações do autor do texto só reforça a postura ditatorial de quem defende esta ideia.

    Passar bem.

    Responder
  5. Fabio

    Minha opinião sobre o plano de igualdade de gênero: Será realmente que os responsáveis por esta terrível proposta está pensando no amanhã?
    o que será de nossa sociedade se ninguém saber mais quem é quem, imagina isso na cabeça das crianças, é um desrespeito ao cidadão de família, que sabe antes de tudo que família é pai e mãe e sua prole, é uma vergonha o que estão querendo inserir no mundo infantil, é coisa de irresponsável e desrespeito á família!!!
    Diga não! á igualdade de gênero!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *